Páginas

30 de janeiro de 2015

E quando você se dá conta

Que vai ter que deixar tudo. Esquecer o conforto da família. Ser forte na hora da partida. Enfrentar seus medos e fraquezas sozinha.

Não tem como evitar que escorra uma lágrima ou uma enxurrada delas

Aí você percebe que nunca, nunquinha, ficou só. Que sempre teve alguém ao seu lado. Que por pior que tenha parecido, nada, absolutamente nada, se parece com o que se desenha hoje.

Quando falo/escrevo sobre o que vou passar muito em breve, sinto os músculos do meu ouvinte/ledor se retesarem. 

Antes eu ficava, aguardava o retorno. Hoje sou eu que vou. Que terei horas pra chorar, imaginar o inimaginável e aguardar o improvável.

Fé? Sim eu tenho, senão não iria. Medo? Claro! Quem não tem? 
Me peguei pensando em pessoas que viajaram além mar e ficaram bem. Me apego nisso. 

E ser consolada por quem sempre consolei? Pessoas tão distantes que vibram positivamente, após se recuperarem do susto, para que seja feito o melhor por mim? Ou melhor, por nós! Ler lindas palavras, sentir um afago via mensagem... 

Mas é isso né? Levantar a cabeça, engolir o choro, enxugar as lágrimas e aguardar que o melhor está por vir.

22 de janeiro de 2015

Construção

Quando decidi ir com marido pra onde ele fosse eu não tinha muitos planos pessoais individuais. Apenas a nossa família me importava.

Dificuldades, cansaço, uma graduação e 4 anos depois cá estamos. Bia com 8 anos, mamis morando conosco, 2 estados depois... Depois... o que será o depois?

Aguardemos. Fé e esperança me movem.





4 de janeiro de 2015

Continue a nadar

Não. Não. E não.

Não sumi, não abandonei o blog e não vou acabar com ele.

Nem sei quantas vezes me peguei escrevendo mentalmente por aqui. Quantos assuntos abordei e discussões sobre um mundo de coisa. Mas me mantive distante. Precisava fazer outras coisas que eram mais urgentes e aquele texto já não faria mais sentido pra mim.

Não preciso dizer que o blog ainda é uma coisa muito egoísta minha né? Desde que Miss Cris não aceitou o convite de escrever sobre Ilhéus, eu abdiquei de tentar dividir a minha criatura my precious.

Mas vamos à retrospectiva 2014 pós junho.

Comecei a me dedicar mais aos concursos, voltei a trabalhar, mamis veio morar conosco, mamis teve um AVC, marido quebrou o dedão do pé, recebi de um amigo um presente lá da Bahia thanks Denny, Bia fez sua estreia no teatro, Bia se apresentou 1, 2, 3, 4 vezes...lindamente,teve o acamps do grupo escoteiro, conheci Little London, fomos ver o natal de Sta Fé do Sul, comprei minha câmera, Nero fez 2 anos, tive dengue...

Sim, tiveram mais coisas que aconteceram, mas por enquanto é isso. Ah, e não está na ordem cronológica. Apesar da dengue ter sido o último episódio do ano rs.

Peraê que não acabou. Faltaram as resoluções de ano novo! Fiz apenas uma: SEM RESOLUÇÕES!

Tenho alguns desejos, mas nada de loucuras por favor. Desejo conseguir me alimentar melhor, estudar mais, realizar algumas viagens, mas são desejos. Nada que se não acontecer ficarei com aquela sensação de 'ano perdido', por favor. Já passei da idade de pensar assim falou a balzaca ;)

Bora viver? 

Continue a nadar, continue a nadar






26 de junho de 2014

Não é que é bom?

Estava meio afastada dos blogs que acompanho pois estou usando mais o celular pra ver as redes sociais e pelo net eu tenho estudado. Eis que resolvi me atualizar e tomei um susto!

Uma grata surpresa na verdade. Assuntos que ainda me interessam... achei ótimo! Então quer dizer que mesmo depois de 4 meses mal olhando as postagens eles ainda me interessam como antes. Então não mudei nada nesse período? Peraê, uma coisa não tem nada a ver com a outra.

Tantas coisas têm acontecido que tenho ficado absorvida com as opções. Vivendo do outro lado, ou seja, fora do mundo virtual, apesar dele estar muito ligado no meu dia-a-dia por diversos motivos.

Tenho saído com outras pessoas, tenho feito programas familiares com outras famílias... têm sido bem legal.

Por enquanto é isso, sem muitos detalhes do lado de cá do Brasil.

Peraê, antes de terminar o post tem sim uma novidade. Agora sou diplomada. Antes tinha recebido apenas o certificado de conclusão de curso, mas agora estou com meu diploma mais que suado em mãos. Isso é sim uma excelente novidade.

27 de maio de 2014

Ainda sobre os 6 pinos

Me dei conta agora a noite que a 1 ano atrás eu estava com a perna pra cima em busca de vôo para Salvador.

Krisna me socorreu pela manhã e ficou à tarde com a Bia.
Meu vizinho na época, seu Antônio, segurou Nero.
Marido voltou às pressas de um treinamento. E dois colegas dele foram muito solícitos.
Marcella marcou o médico que posteriormente iria me operar.
Dr. Marilton me operou.
Minha mãe perdeu a voz e depois cuidou de nós por 2 meses.
A família e amigos ficaram com Bia, foram me visitar, me mandavam mensagens pelo face e me faziam rir muito e superar aquele período doloroso e triste, mas de muito aprendizado.
Drª Alessandra minha primeira fisioterapeuta e me ajudou a colocar o pé no chão a primeira vez.
Drª Maria Carmo minha segunda fisio e continuou me auxiliando na recuperação dos movimentos do pé.
Drª Luciana Lucas minha terceira fisio e colocou meu quadril e joelho na posição correta.

Um dia após o outro e já faz 1 ano. Dor? Ainda sinto um pouco em momentos diversos, mas nada que não possa suportar/superar.

Acredito que nunca cansarei de agradecer. 

Obrigada!