30 de março de 2017

Já entendi, agora calma

Lá no trampo sempre rola a musiquinha 'não está sendo fácillll', e realmente tá bem complicado. 2017 meu filho, bora relaxar? Já já termina o primeiro trimestre e vc continua nessa afobação? Segure sua onda vá, que tá foda! Ok que anos ímpares nunca foram meu forte, mas venha mais devagar faz favor.

4 visitas emergência agora é visita, tenha dó a médicos, correria de levar Bia pra lá e pra cá, ir pra hospital por causa de reação alérgica ou ter que ir ver o tornozelo que bati na moto (P.S.: esse continua inchado e doendo rs)... 
1 mês e T O D A S as semanas fui ao médico. Gente não guento mais.  

Estabeleci duas metas pra esse ano, uma é: ficar e me manter saudável. Bati 3 dígitos na balança, fígado apitou de novo nem posso tomar uma pra me recuperar dos baques, proibidona rs e aí tinha que fazer algo com muita urgência e... tá dando certo. Não consigo manter o pique pois não ter horários definidos e estar nessa loucura filha, cachorros e o resto todo não dá pra ser totalmente dedicada, mas já consegui reduzir 10% do peso inicial YES! e melhorar o sono rivo meu querido, mim largue e sentir menos dores da fibro, então posso me considerar muito bem rs. Falta um monte, mas vai ser nesse ritmo, devagar e sempre. Após o vento mudar eu me dedicarei integralmente à essa mudança, até lá vou indo.

E meu processo que não sai gente? Já sinto saudade do povo com antecedência adoro meus colegas e trabalhar lá mas preciso subir a serra logo mec meu filho, adiante

Então por enquanto é isso, nem adianta perguntar que a outra meta é de foro íntimo acho essa expressão tão metida a besta que gostei kkkkk.

Ah, hoje a minha cidade faz aniversário (ontem, mas não dormi então ainda é hoje kkkk) e a outra é Curitiba hehehehehe. Salvador é a cidade que escolhi pra chamar de raiz, meu coração é de lá, minha cultura, meus hábitos, minhas gírias, meu sotaque, minha vibração é soteropaulistana. Curitiba é a cidade do meu desejo, aquela que queria viver por ser teimosa e procurar sempre mais e melhor. Hoje repeti várias vezes pra Bia o quanto eu gostaria que todas as crianças tivessem o atendimento que ela tem no Hospital Pequeno Príncipe (exclusivo para crianças). O cuidado, o olhar apurado, o tratamento. Não à toa que doamos nosso Imposto de Renda pra lá. Que permaneçam assim e que na minha terrinha cheguemos a ter um hospital desse porte e nível de cuidado e atendimento aos pequenos. Se quiser doar seu IR (o que fica retido e não tem devolução) pro HPP vai nesse site https://doepequenoprincipe.org.br/renunciafiscal/ eu afirmo que vale a pena ajudar, o trabalho feito ali é muito bom.

Chega né? Bora dormir que a semana nem terminou ainda. ;-*

 

26 de março de 2017

Que zorra foi essa?

Que semana bruta gente, quase pedi PPÚ...

Expediente interno, mil maravilhas eu imaginava, até que vejo um número que não atendi no celular e meu pensamento foi 'putz tenho que gravar o número da escola de Bia no celular' e era de lá. Por água abaixo todo planejamento, atenção e qualquer outra coisa. Ok! Resolvido temporariamente e em partes. Vida que segue: exames, marcar médicos e... PQP! A gente escolhe morar numa cidade dita primeiro mundo a Suíça brasileira k k k e a consulta mais próxima é para junho!!! Não tô falando de SUS, estou falando de convênio e ainda me propus pagar no particular... F O D A! Rapaz, SP é duca mesmo! 

Aí chega seu diploma da especialização e sua única comemoração foi um post no IG (e acho que compartilhei no FB também) e finito. 
Aí foi o niver do marido e vc tá longe demais e a única coisa que pode fazer é ligar (coisa retrô né?) e conversar coisas que só a gente entende. Como pode depois de tanto tempo ainda conseguirmos ficar meia hora de relógio no telefone?rs
Aí vc descobre que seu processo tá no MEC num setor que os processos só vão no final oi? e não tem uma viv'alma pra te explicar o fluxo do processo (gente sou adm total nessas horas - padrão, procedimentos - fluxogramas - organogramas - A D O R O). 

Aí acabou a semana e nada

Acabou!  

Caralho tô pós graduada em Cultura Afro-Brasileira!!! Hurruuuu! kkkkkkkk

 

8 de março de 2017

Pois hoje não é só meu o dia, é nosso!

14a é tempo pacarai! Quase metade da minha vida etcha mentira deslavada, ou não? ó dúvida rs! Pensar que começamos 'ontem'. Aí depois de uma viagem sua, brigas nossas sempre viriam e após veio um: a cidade é a sua cara! Foda-se foi minha resposta naquele dia. Tava puta contigo, mais uma viagem e eu 'ali'. Mas nada como um ano após o outro e um encontro pra me amarrar em Chuvitiba, digo Gotham. 

Profetizei que moraria aqui, e assim após 6 anos aqui estava eu. Sozinha. A cidade foi violenta comigo e mostrou que não estava pra muito chamego, ela não conhece essa palavra. Me ensinou a duras penas o significado de ser forasteiro. 

Não deixo de gostar daqui mas preciso dizer que a ferida que foi aberta nesses meses não cicatrizou.  Seria mais leve se estivesse comigo, pois é o braço que me dá sustentação quando solto fogo pelas ventas e quero destruir o que vejo pela frente.

Quando penso que finalmente teremos sossego... a vida nos prega mais outra peça e lá vamos nós pra mais um desafio. 

Mas sigamos assim com um vendaval sempre revirando tudo, arrancando o mato pela raiz, mas perceba que abre um caminho. E mesmo em meio ao caos que vem com minhas tempestades creio que haverá calmaria e um tempo de bonança. 
Se só será daqui a mais 14a não sei, mas pretendo estar contigo lá pra descobrir.

"Não tarda o sol vai iluminar o nosso amor e a saudade vai ter fim"

Te amo hoje!

6 de março de 2017

Tentando conviver com as pedras do caminho

Tô matando 1 leão a cada saída de casa.
 
Alguém me explica qual motivo de um homem tentar atrapalhar uma pessoa que está num carro mais de meia noite, com velocidade, com a seta indicando à esquerda (aprendam: significa pra o carro da frente dar passagem)? 
Ficar travando o caminho pelo simples motivo de ser idiota ou por a pessoa com pressa ser uma mulher e que ia (e fiz) ultrapassá-lo?

Explicando: eu tomei uma picadura uiiii e comecei a inchar. Em dado momento bateu o desespero e fui ao hospital e um imbecil, retardado, idiota (e todos os palavrões que aprendi) olhou pelo retrovisor e me ignorou, ainda colocou o braço na janela e a mão no queixo, pra completar o pacote tinha um igual a ele do meu lado... Ahhhh aqui não kiridinhu! Quando reduzi a marcha o da lateral tomou um susto, joguei o carro tem seguro e FODA-SE e saí... tenha paciência. Dei seta, liguei o pisca alerta... faltava o que? Chamar a PQP pra ensinar como se dirige? VTNC!

Agora outro caso, esse corriqueiro: CUSTA VC SER EDUCADO/A E DAR BOM DIA? OU BOA NOITE? PRINCIPALMENTE SE ENCONTRA COM MUITA FREQUÊNCIA E DIVIDE O MESMO AMBIENTE? 

Ainda dizem que são os europeus da América do Sul... ah, façam-me o favor e vão plantar batatas!

13 de fevereiro de 2017

Observações na 'República Curitiba'

Ontem fui pro reggae, digo forró, num local cheio de história a 'Sociedade Operária Beneficente 13 de maio', em outro momento conto ela ou pode dar um google aí. 

Tava afim de fazer algo diferente do que temos feito juntos (eu e marido) e resolvi que iríamos voltar aos bons tempos. Lá fomos nós debaixo de um pé d'água de estragar chapinha não estava de chapinha tá?rs. No salão música eletrônica (não ritmo e sim como estava sendo tocado o forró criatura, se acalme) e tudo arrumado pro forró comê no centro.
Bebemos, conversamos, rimos muito e aí começou a bagaça. Triângulo, zabumba, sanfona e...baixo! Nada de preconceito😒😒😒 Nós no bom e antigo bate coxa, mela cueca e o povo no forró universitário 😨 e aí começamos a observar algo novo pra gente, a galera dança roça, se esfrega, ô diliça e quando vc acha que o povo se achou rola um abraço um beijo no rosto e TCHAU! 😳😳😳😳😳😳😳 

P-R-E-C-I-S-O entender. Sou de um lugar ou seria época? onde vc encaixou legal no forró, colocou o rosto/testa, fechou os olhinhos é pq tá gostoso, tá no suadouro unido, ficava junto até terminar a zorra da festa. Não tô falando de se pegar também vai mas a galera dança, roça e... NADA! Separa no fim da música, um abraço constrangido ao meu ver e cada um pra um lado. Fiquei ficamos na verdade chocada com a diferença ou forma nova de dançar forró. 
Aí vieram as elucubrações: seríamos nós de outra geração? seríamos nós baianos muito sexuais? seriam as diferenças culturais? ou seria apenas um modelo da nova onda gratidão?  Hoje me surgiu uma nova opção: será por conta de assédios que tá rolando esse movimento diferente? 

Deixa eu explicar com calma. Na época que eu ia pra forró era assim: rolava o olhar, a chamada pra dançar e se não encaixasse ou não gostasse da outra pessoa no final da música saia, agradecia a dança e finito. Durante a dança nada de rostinho colado, nem olhos fechados, muito menos rala coxa pesado. Nada de ficar roçando em quem não se tem interesse.  Mas o que vi ontem não foi nada disso. O pessoal junto que nem eu, toda encalacrada no mela cueca, e no final nem um beijo de língua
Fora que pra mim forró (era uma homenagem a Dominguinhos) é naquela pegada 'pé de serra', 'arrasta pé' de raiz. Pegando carona na modinha atual não esse forró 'nutella' kkkkkkkkkk. Tô com as pernas doendo das porradas que levei naqueles passos do povo de gira pra um lado, pro outro... é dança de salão caralho? Sou tradicionalista e conservadora pra meu forró, assumo. E nada me dizer que estou sendo chata, acho lindo o povo dançando forró universitário, mas pra mim não num espaço onde a qualquer girada vc vai atingir alguém que não tem nada com sua dança. 

E pácabá? FORRÓ NO MEU NORDESTE É DUCARALHO PORRA!