26 de dezembro de 2011

Hahaê quem quer...?

Olá pessoas!

Irei explicar as coisas, mas aos poucos! Bom, a principal novidade era que eu ia começar a escrever outro blog mas não ia abandonar esta minha casa. Já registrei o nome do blog, O lado D, mas ainda não comecei a escrevê-lo, pois a ideia é de manter a R.A. (reeducação alimentar) em dia e o blog ia me dar o suporte, mas alguns acontecimentos não irão permitir.

Então, estou com uns probleminhas chatos de saúde, e meu médico queridão meio que me liberou pois disse que só vai começar o tratamento dieta depois da outra bateria de exames, então vou me libertar essa semana, moderadamente. Até porque vou te dizer, emagrecer cada quilinho é dureza mas mantê-los longe é mais difícil, rs.

O Natal foi legal, tranquilo, véspera na casa Brandão e o dia na casa Martinez. Bia é quem mais aproveita, afinal segundo ela 'criança ganha mais presente que adulto, pois tem mais parente'. De boba não tem nada.

Mas vou te contar, ganhei um presente massa de mami e bemmmm brega (ADOROOOO). Alguém já ouviu Elas cantam Roberto? Gente é uma coisa linda e eu ganhei os dois (isso aí, 2!) cd's. Valeu mamis meu 2012 será de lágrimas tomara que de alegria.

Ah! Ia esquecendo das metas. A única meta que tenho agora é descobrir o que tenho de verdade e depois saber como tratar já sei que é uma cirurgia e dieta, mas... e meter as caras, ou não. Vou aguardar o resultado primeiro, depois metas e decisões. Mas até lá só posso aproveitar e curtir o final de ano.


Desejo a todos um 2012 pleno de saúde pra mim também e festa. 

Que os desejos sejam possíveis e que os "sonhos sejam sonhados juntos para que se tornem realidade".

vemnimim2012







23 de dezembro de 2011

Calma, aqui a dose é homeopática!

Olá pessoas!

...ainda na próxima semana posto mais deste período ;)

Começando o final de ano (?) e eu revisito vários compartilhamentos das lembranças. 

De como foi o ano, as conquistas pessoais (ok, sei que estou dona-de-casa, mas tenho conquistas sim!), os problemas de saúde que melhoram/pioram, não se resolvem...bom, não vou chorar pitangas aqui. Aliás, nunca vi um período para aparecerem tantos miseráveis. Todo mundo precisa muito de tudo.

As pessoas que continuam participando de minha vida, mesmo que distantes. As que coloquei para fora ou sairam por pura displicência com nossa relação. De como magoo as pessoas sem a intenção, apenas por ter o hábito de prezar sempre pela honestidade qualquer que seja a situação. De como tenho bons e pouquíssimos amigos, mas vários conhecidos que fazem com que fique tudo mais lindo e colorido e de como me ajudam a enfrentar as dificuldades com mais leveza.

Penso como deixei de fazer coisas que pareciam tão importantes, mas que hoje não tem valor nenhum, ou até tem, mas não ocupam necessariamente tanto tempo quanto imaginei. 

Como aprendi tanta coisa útil (preparar uma comida muito boa e saudável) e ao mesmo tempo nunca me 'ocupei' tanto com inutilidades na verdade sempre acho que servem pra alguma coisa, nem que seja para puro conhecimento inútil. 


Mas o mais importante pra mim do 'agora' é de como encaro minha vida e meus problemas, os reais. E minhas metas, como as estabeleço. Vou seguindo planejando tudo, ano por ano sem ficar abalada com o que não deu certo. 

Volto em breve para colocar as metas e apresentar uma novidade ;)























19 de dezembro de 2011

1 ano sobrevivendo!

Olá pessoas!

Ontem fez 1 ano que nos mudamos para Ilhéus e tinha tanta coisa pra fazer que nem postei nada, mas vou fazer um balanço geral.

Contras:

A falta de tudo. De determinados alimentos (isso mesmo, aqui faltam algumas coisas que estou acostumada, marcas, opções, etc.) até produtos de limpeza (eu sofro!).

A dificuldade de comunicação. Você pede meio quilo de carne 'tal'. O atendente coloca 800 gramas. Você pensa: ele não ouviu direito. Por favor me dá só meio quilo? Será que são 300 gramas? Pode ser 500 gramas? Ele coloca 650 gramas e você desiste, aceita  e vai embora. No pão é a mesma coisa, peço 8, vem 10. quando peço 10, vem 9.

A mania de sempre acharem que tem que 'sair por cima'. Nunca podem perder 1 centavo e nada para ninguém. Se é para brigar, encontraram a pessoa certa. Sempre tentam 'dar um jeitinho' em tudo. De escola a hospital. Não admito e nem aceito isso. Sou intolerante mesmo.

A falta de cuidado com a cidade. Uma cidade suja, esburacada, barulhenta e fedida (mini-Salvador). 

E o tratamento com o turista? Um absurdo. Ninguém sabe nada, ninguém informa nada. 

Mas a falta do que fazer é o pior. Não tem um parque, um lugar para passear que não seja praia ou que se tem que gastar, como cinema (que muitas vezes não tem filme infantil) e teatro.

A falta de compromisso. Estou a 1 mês com as janelas com problema, chovendo dentro de casa literalmente e aguardando o rapaz e que vem aqui, marcado 4 vezes. E no dia em que eu ia sair ele 'apareceu' sem avisar. Claro que voltou da porta.

Chove demais. Mas é muito mesmo. E não para. Ah, alaga tudo, tudinho.

Prós:

Ter a 'vidinha' do interior. Mais calma, com menos trânsito.

Saber reconhecer o que os outros lugares tem de bom.

Aprender a ter paciência, o que é muiiito complicado por aqui.

Ser mais tolerante com a deficiência alheia. Nem todos são tão 'rápidos' quanto eu gostaria.

Aprender a viver com menos opções.

Poder abrir a janela do carro, entrar e sair, sem ficar em preocupação de sofrer um roubo/assalto.

Sair de noite, sentar num restaurante vazio sem medo.




Bom é isso! E como diria Caetano: "...cada um sabe a dor. E a delíciaDe ser o que é..."





























13 de dezembro de 2011

Um parto de viagem!

Olá pessoas!

Bia vai fazer sua primeira viagem sozinha de avião. Não, não sou louca e muito menos irresponsável. Pense que se eu a alguns anos atrás que mentira deslavada era eu quem ia e vinha entre São Paulo e Salvador? E estou aqui vivinha da silva para mandar a minha pequena. Até porque são apenas 26 minutos de vôo.

Mas o que eu quero contar não é a viagem em sim, mas a dificuldade que passei para conseguir a "Autorização de embarque para menor desacompanhado". Isso foi um parto. Primeiro, como toda mãedernosa, lá fui eu para a internet fuçar. Mas depois de 2 semanas tentando achar uma resposta no mínimo explicativa pedi socorro aos 'universitários', fui ao Facebook! Recebi a resposta muito boa da Cella do Palavrinha e Palavrão com links tanto para onde poderia ser feita a emissão como o explicativo sobre o processo. Mas no final concordamos com um uma falha, eles misturam embarque nacional com o internacional, fiquei sem saber onde começa um e termina o outro. Aproveito para agradecer também a resposta da Juli do Comer Rezando que me explicou direitinho o que fazer. 

Então munida dos documentos e informações lá fomos nós, eu e Bia, para o SAC em Itabuna. Quando chego ao SAJ as atendentes naquela disposição de matar um na raiva maravilhosa. Pergunto sobre a emissão da autorização e a resposta foi: - Não é aqui não! 
Insisto, reclamo pois no site estava informando que era feito lá e a resposta é 'melhor' ainda: - Nunca vi fazendo isso aqui nãoooo! E se vira para uma colega e pergunta "como é isso". A colega informa que eu teria que ir ao Juizado da Infância e Juventude para emiti-la. Isso eu nervosa, Bia perguntando se não ia viajar, perguntei no meu melhor tom educado: PELO MENOS VOCÊS SABEM QUAL O NÚMERO DA OUVIDORIA? Aí pediram para que eu fosse falar com o 'gerente' do SAC. Lá fomos nós, o rapaz até disposto e educado, imprimiu pra mim a cópia da página onde constava o nome do SAC Itabuna, e me avisou que ia ser retirado, pois esse serviço nunca foi feito ali e tal. Mas e agora? Eu faço o que? Me explicaram como eu chegava na tal Vara pra mim só mista. 

Chegando na Vara 'descubro' que juiz ali só após as 14h e que é necessária a assinatura dele, isso eram 11:30h e estávamos no SAC desde as 10:50h. Mas como sempre digo que Bia tem uma luz própria...comecei a conversar com uma mãe que tentou embarcar a filha às 9h (isso mesmo de manhã) em Ilhéus e a autorização que aquele 'senhor' deu a ela estava errada, mandou ela reconhecer firma da assinatura dela, mas 'esqueceu' que quem autoriza é o juiz. Ela amiga do juiz ligou para ele, que mandou o dito cujo esquecidinho levar para ele, na casa dele, para assinar a autorização. E na minha cara-de-pau pedi a ela que mandasse a minha junta e ela se prontificou a me ajudar, depois de saber da minha saga. Ah, esqueci de contar que já tinha tentado emitir em Ilhéus, o Fórum sempre fechado e sem uma plaquinha para explicar, eu mereço! Então, o senhor fazendo a autorização à máquina de escrever (realidade pura) e me perguntou o endereço, quando falei Ilhéus, ele mandou que eu voltasse para Ilhéus...tá certo ia perder a viagem? Nem fudendo. A minha nova amiguinha se salvou, dando o endereço da sogra só para constar, ufa! Quando terminou tudo, que ele ia levar para o juiz assinar, perguntei sobre como fazer a autorização para 2 anos, eu tinha que perguntar né? Ahhh, você quer pedir? Só sai ano que vem. Ok, desisto, me convenceu!

Para terminar a história/aventura, fomos almoçar no chinês do shopping, cresceu né? Agora merece ser chamado assim CLAPCLAPCLAP. E como fazia tempo que eu não via biscoitinho da sorte pedi 2. Bia escolheu o dela, quando abriu tinham 2 papéis. Ô menina de sorte viu? Benza Deus! 

Hoje, como boa pessoa prevenida que sou vou lá no guichê de embarque da cia aérea que ela vai, e vou apresentar a autorização pra saber se é isso mesmo. Mas há de ser, senão eu mesma coloco ela dentro do avião para Salvador, eles que me aguardem, rs.

















9 de dezembro de 2011

Devagar e sempre, de preferência em frente!

Olá pessoas!

No último post estava triste demais, mas se não mexer 'o bolo desanda', vamos continuar. Aos poucos vou voltando e atualizando as coisas, mas devagar e sempre.

Mudei, literalmente. De casa, de objetivos, de expectativas, de perspectivas. Ah, e de dieta também! Fui finalmente ao nutricionista e ele foi "bem legal", afinal eu esperava tomar broncas homéricas, e não, até rimos das minhas desgraças. Mas isso já faz 1 loooongo mês, e no meio dele, despedida, TPM, comemorações e muitas escapadas (fugidas messmo), mas ainda assim me sinto 'menor' e melhor, afinal consegui enfiar na minha rotina o exercício.

Acredito que todos que trabalham na rua e fazem pouco ou quase nada em casa acham que a vida de dona-de-casa/mãe/motorista/enfermeira/pediatra/secretária/universitária/esposa e também mulher é coisa fácil. Estou mais intolerante com isso e tenho dito: senta aqui, vem ver de perto... Mas já diz minha querida mãe: se não aguenta o pote, pra que pegou a rodilha?

Peguei por que sou retada mesmo nessa porra e gosto de uma boa briga

Administrar tudo é complicado por demais, tem noção não! Eu imaginei tendo uma vida mais mansa, mas que nada. Acordo cedo, durmo tarde, como pouco, me divirto menos ainda e tenho que dar conta de tudo, inclusive de unhas pintadas, depilação em dia e filha educadíssima. É dureza meu povo!

Mas assim, temos que nos adaptar né? Então vamos ao que melhorou que importa mais e deixa a inveja mais atiçada ai como eu tô bandida ! Finalmente descobri o que tanto me levou ao hospital nos últimos meses, eu contei? Não lembro, mas fiz algumas paradas nada estratégicas nos hospitais de Ilhéus, muita dor na 'boca do estômago' e muito ódio de alguns médicos, o resultado então é pedra na vesícula, isso aí baby  eu tenho 'algo' a mais hehehehe e um fígado pra lá de denunciador do meu passado, calma inveja, nada de cirrose por enquanto só uma gordura no lugar mais errado possível. Se estou preocupada? Não! Tenho tido mais o que fazer.

Estou tão comportadinha fazendo hidro. Eu que achava que era coisa de vovozinha, calma mãe nada contigo, mas também a minha experiência tinha sido na gravidez e óbvio que minha querida Adriana Martins não ia sentar a madeira numa gestante. Vou te dizer, dói até agora as sequências de 4ª feira, afff

Ah, fiz também umas sessões de drenagem linfática com modeladora com Patrícia, na Ekilíbrio (perdoe-me Paty mas não lembro o resto do nome) e que mãos, vou te contar...amassa daqui, dali, dói, nódulos e eu feliz. Uma pessoa que paga pra sofrer e ainda sorri. Presente!!!

Centro de Convenções
- Apresentação da escola -
E tiveram também as apresentações do balé e da escola da Bia, pense numa emoção e num sucesso absoluto? Choro só de lembrar. Ainda tem isso, treinamos aqui em casa uma dezena de vezes para o balé, eu aguardava a hora em que ela me diria que odiava o balé, e eu como mãe tigre,  ia ordená-la recomeçar, mas não. Puxou a mim no perfeccionismo e aguentou a pressão que acabei fazendo e que tentei disfarçar. O resultado? Uma apresentação belíssima, um certificado de mudança de nível e um boletim sem uma objeção sequer. Atingi o objetivo, ela ama dançar e busca a perfeição! 





E para um re-início tá de bom tamanho e obrigada pela paciência.


Após a 2ª apresentação do balé, no Teatro Municipal de Ilhéus
foto by Seth Ganzhorn




Bravo! Bravo! Bravo!

Cumprimentos finais no Teatro Municipal de Ilhéus




1 de dezembro de 2011

"Vou voltar, sei que ainda vou voltar..."

Olá pessoas!

Me aproprio da música Sabiá, de Chico Buarque, para dizer que estou aqui, indo, como costumo dizer quando me perguntam como estou...
Ainda não voltarei a escrever com constância, mas precisava dividir o momento difícil que está sendo e agradecer pelos momentos incríveis que tivemos.

Quando comecei o blog era justamente mais uma forma para ocupar a mente, pois as mudanças de cidade e hábitos eram muito recentes e complicadas. Até que surgiu uma amiga da época do Cefet-BA, mas que pelo tempo e pela falta de contato havia se tornado distante, e eu acreditava que não nos tornaríamos tão próximas, afinal eram mais de 10 anos...

Um dia recebi uma mensagem e marcamos logo de nos encontrar para um banho de piscina, e assim foi. Primeiro contato depois de tantos anos não foi nem frio nem caloroso, muito pelo contrário. A sensação era que estávamos nos analisando, sentindo o terreno para ver até onde poderíamos chegar e seguimos  em frente. Primeiro praia, depois 1 churrasco, 2, 3 e por aí a amizade se concretizou novamente e os maridos se tornaram amigos também.

Tivemos churrasqueira caindo, vamos pegar blocos? Picanha que era contra-filé, Kentucky cocktail, dancinha de gringo, visita de amigos de longe, dança da laranja, São João típico, feijoada no Bataclan, uma mãozona no aniversário de Bia, idas a Itacaré, a Itabuna, cacauroskas, Halloween, Thanksgiving Day, fotos da apresentação de balé, muita praia, caranguejos e uma ida. Muita saudade! Um ano norte/sul americano no melhor estilo.

Eu disse ontem e repito, agora estou só! Não tenho mais uma amiga e companheira pra tomar umas cacauroskas e falar mal da humanidade local. E trocar mensagens? Resolver churrasco, trocar informações sobre tudo que se passava por aqui? Ah, o blog não saiu né? Mas aproveito e faço o convite pra você escrever aqui no doida de casa uma página só sobre suas experiências locais, acho que é uma forma de vínculo, de manter as lembranças vivas.

Que esta partida para longe não nos afaste "mesmo que o tempo e a distância digam não...".  Só assim eu poderia dizer tudo, já que ontem foi difícil e se nos encontrarmos em Salvador antes da ida definitiva de vocês eu não vou conseguir expressar o quanto dói e o quanto de saudade que já estou tendo precipitadamente. Leu Pollyanna? Vou trocar o nome para Beatriz, uma excelente receita de encarar as despedidas.

Faço novamente as palavras de Milton as minhas...



Muito obrigada Cris e Seth! Amos vocês pra sempre!
Mariana Brandão