31 de outubro de 2012

Sim eu estava

Sim, estava melancólica e ainda estou um pouco mas eu tenho direito.

Em momento algum pedi para ser mulher maravilha sempre preferi  She Ha então não ache que estou sendo fraca, apenas estou colocando meus sentimentos para fora e tentando estar forte para o que está por vir.

São tantos se's que nem sei mais o que é de verdade. Se eu for estudar, se eu for trabalhar, se eu for prestar concurso, se eu passar, se, se, se...
Se, e sim, estou indo para algum lugar que ainda não sei onde fica literalmente e também com trocadilhos e nem sei o que será de nós, como posso especular tanto, algumas pessoas me perguntam. Já escrevi aqui em outro momento que sou assim de tentar preencher todas as lacunas dos possíveis se's que se encaminham. 

Não sou afeita a esses tipos de surpresas. Prefiro ter em mente o que pode acontecer mesmo que o sofrimento hoje e posteriormente seja inevitável e sei que estou adiantando meu futuro. Pois é, o futuro...

Nem eu sei o que será do meu daqui a 10 anos. E não estou antecipando ão demais, é que quando eu tinha 20 anos achava os 30 tão distantes e eles saltam aos meus olhos em breve...

Se eu pudesse ter algumas escolhas hoje para decidir nosso 2013 eu o faria com plena tranquilidade, já que todos os movimentos foram pensados e calculados e refeitos milhares de vezes coisas de quem gosta de jogar xadrez. Mas hoje sei que tenho medo do que pode acontecer no futuro próximo. Hoje assumo esse medo mas não vou chorá-lo mais, não tenho tempo para isso pois o jogo continua. 

E através dos próximos passos vou decidindo meu desejo de futuro

Como diz Vanessa da Matta: ...eu quero ver o mar, eu quero ver o mar...

26 de outubro de 2012

Sozinha

Não é por falta de criatividade, mas vou pedir licença aos autores e misturar algumas músicas...

"Eu quero ficar junto
Mas sozinho só
Não é possível...
A casa é sua
Por que não chega logo?
Nem o prego aguenta mais
O peso desse relógio
Não me falta casa
Só falta ela ser um lar
Ainda tem o seu perfume
Pela casa
Eu gosto(...)de telefone, se do outro lado é a sua voz
Porque eu sei que é amor
Sei que cada palavra importa
O universo conspira a nosso favor
A conseqüência do destino é o amor, pra sempre vou te amar
Mas talvez, você não entenda 
Essa coisa de fazer o mundo acreditar
Que meu amor, não será passageiro
Te amarei de janeiro a janeiro
Até o mundo acabar
Mesmo sem porquê eu te trago aqui
O amor está aqui
Comigo
Mesmo sem porquê eu te levo assim
O amor está em mim
Mais vivo
Mesmo que você tenha que partir
O amor não há de ir embora
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti
E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace(...)
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe 
Não me falta o tempo que passa
Só não dá mais para tanto esperar
Venero a saudade quando ela está pra terminar"

De onde saiu a mistura? Dos meus companheiros de todos os dias: 

Titãs
Nando Reis
Jota Quest
Arnaldo Antunes
Helena Elis
Adriana Calcanhoto
Skank









22 de outubro de 2012

Menos 1 hora

Quando estamos matando a saudade é difícil saber que temos 1 hora a menos. Parece que nos tiram o dia inteiro, aquela hora faz muita falta quando são mais de 1000 km que nos separam.

Saber que vai sair sem o sol e que quando estiver voltando é que vai arder os olhos, mas não mais da emoção da despedida e sim da claridade assombrosa aumenta a tristeza. 

Aquele nascer do sol visto junto é mais lindo.

1 hora a menos é uma conversa interrompida, um jogo de peteca adiado, um passeio mais curto, tudo fica mais urgente quando não se tem mais uma hora.

E saber que esta hora vai te ser devolvida quando decididamente não se precisa dela é angustiante. 

Não poderíamos ter só mais 1 hora?

Definitivamente este horário de verão não é horário de quem ama a distância e está com fuso horário diferente! Só me resta esperar dezembro para ganhar esta hora que está me sendo roubada.


16 de outubro de 2012

'repraticando' em Brasília

Tinha esquecido o que tomar conta de casa. Gente como dá trabalho, mesmo que sejam poucos dias e poucas obrigações. Ainda assim...ufa!

Estamos em Brasília novamente, desta vez meus amigos estão fora, então estou sendo doidadecasa aqui. Mas além de 'repraticar' minhas habilidades, estamos aproveitando para fazer coisas que nos são negadas em Salvador.

Final de semana que passou fomos ao Zoo (que valeu e muito os R$ 2 por pessoa) e fizemos picnik. No dia das crianças fui com Bia ao Parque da cidade que teve uma programação extensa e muito organizada por sinal e fizemos um picnik de ensaio. Eu ainda estava me adaptando ao calor da cidade, o que sempre me prejudica nos primeiros 2 dias, mas foi ótimo ainda assim. E no dia 12 mesmo, fomos a um evento chamado Picnik, que fica à beira do Lago Paranoá, com uma bela vista. Tinha música e gente de todo tipo. Dessa vez me senti em casa em Brasília. Tudo isso por conta do visual das pessoas. Nada de ternos e saltos. Muita descontração e gente normal.


Hoje estou me preparando para levar Bia ao Teatro Nacional de Brasília, pois haverá acho que toda 3ª apresentação da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro. Só para constar é gratuita a entrada

Bom agora vou adiantar senão chego e não entro.

3 de outubro de 2012

O futuro é obscuro

Desde a adolescência meus problemas para dormir começaram. Fosse por coisas demais na cabeça ou por cabeça demais nas coisas. E de alguns dias para cá tenho me pegado madrugada adentro novamente em claro.

São muitas mudanças mas acredito que darei conta e mais incertezas ainda aí é que pega o que faz com que as noites não passem tão suaves. As pessoas que me conhecem bem dizem que sou uma perua, que sofro demais por antecipação. Mas já descrevi e relatei aqui não me lembro, mas deve ter sido mais de uma vez que isso me serve de precaução sobre diversos aspectos.

Não serei mais pega de surpresa por outra 'Ilhéus'

Com as mudanças em vista, me preocupo com as minhas mudanças e o que pode ter que ser necessário fazer para que seja o mínimo de sofrimento possível para ambos os ladosMe julgo fria demais em momentos tão delicados como esse que passarei muito em breve, mas a sensação que tenho é que de calculando antecipadamente, o risco de 'colisão' será diminuído

Assumo que além de me assustar, tenho medo, do que preciso seja fazer. Mas não desisto de acreditar que tudo vai dar certo no final e se 'não deu certo é porque ainda não terminou. Apesar de pragmática e realista, essas frases de efeito ajudam a acalmar os pensamentos e fazer com que o sono se aproxime cuidadosamente para não interromper alguma solução brilhante que esteja por vir ai como eu queria que fosse assim...

Tô na pegada de Raul, aperta o play: Paranóia