24 de junho de 2013

Pensa, repensa e quase 'descompensa'

A chegada dos 30 tem sido mais traumática do que eu imaginava, olha que nem estou falando da fratura já operada. Hoje me considerei uma adolescente sem saber o que fazer para o vestibular. Sabe quando você se considera sem rumo? Então, estou quase assim.

Eu havia decidido voltar a loka, nem saiu ainda pra faculdade mas algumas coisas têm me feito pensar e muito. Uma delas é recomeçar de novo, tudo do início. E o tempo que terei que demandar. E as consequências disso. E os ganhos e as perdas. 

Na verdade é minha veia administradora que fica me empurrando para o PDCA (Plan-planejar, Do-executar, Check-verificar, Action-executar/agir). Aí foi que lascou de vez. E mais dúvidas aconteceram. E outras possibilidades se abriram.

É que a formatura está próxima vai sair este ano, nem adianta ninguém ficar de mau agouro tá? e preciso definir um rumo. Se vou voltar pra faculdade (e aceitar todo o tempo que demandaria), se volto para a iniciativa privada ou se me aprofundo a fundo nos concursos públicos. Estou com essas 3 portas abertas, pois ficar em casa não é uma delas percebeu? Não que eu não goste, mas prefiro voltar à ativa até pra manter minha sanidade né? pois trabalho de casa é duro e não é remunerado além do que não estamos ainda nadando em dinheiro.

Mas com essa parada obrigatória estou tendo tempo para pensar com calma, ler sobre as possibilidades traçar metas para cada uma das opções e planejar o que pode vir a ser e decidir o que será, ou tentar pelo menos.

22 de junho de 2013

Lua cheia me representa

Marido,

sei que você 'passa aqui de vez em quando' e tomara que quando vier aqui eu já esteja de novo ao seu lado...
Te amo e estou morrendo de saudade, doida pra te ver.

Essa lua tão mais cheia nos representa.

20 de junho de 2013

8 parafusos a mais e R$ 0,20 a menos

E a vontade de ir pra casa aumenta. Começa a angustiar. Não que esteja ruim muito pelo contrário viu mãe mas é a necessidade de ficar no meu canto, com as minhas coisas...só isso!

A cirurgia foi bem,lembro da última coisa antes da anestesia me pegar foi um cheiro de flores que senti, olhei para os lados, respirei fundo de novo e pluft, apaguei!

Adoro anestesia que apaga a gente. Pelo menos você não ouve, não vê e não cheira nada. Me lembro quando tive Bia, um fedor de carne queimada, era o bisturi elétrico me cortando...detesto essa lembrança.

Como sempre, tudo ótimo até a anestesia passar. Aí começa minha agonia. Sinto mais dor que os outros, que que eu posso fazer? Eu nada, mas o 'narcoespecialista', como eu ouvi no centro cirúrgico, pode fazer e muito! E fez, uma dose de morfina e a paz volta a reinar no meu coração.

Levantei e fomos embora senti muita falta de marido, muita mesmo e continuo sentindo, saudade e agora estou eu aqui, sentindo pinicar e coçar horrores. A boca amargando muito. Também são tantos remédios a cada 6 horas que fico zonza, tudo marcado nas caixas...olhe bem no fundo dos meu olhos e sinta a emoção...hora de tomar outros...pra sempre vou te amar...mais outros...te amarei de janeiro a janeiro até o mundo acabar...mais remédios... e assim tem sido meus últimos dias. Recortados por remédios. 

Entre uma soneca e um lanche, um remédio e outro, estou aqui no webativismo. Já que não posso ir às ruas né marido chato? fico daqui, palpitando, reproduzindo e compartilhando tudo que chega pra mim. Estou daqui fazendo a minha parte, para quem sabe mudar algo também para minha filha. 

E a minha proposta para ser político no Brasil é a seguinte:

Horário de trabalho: TODOS os finais de semana, afinal ser político não é emprego nem trabalho, procurem outro meio para se sustentarem, salvo exceções descritas.
Valor de pagamento: salário mínimo vigente (se todos nós 'sobrevivemos' com este valor, porque eles não?). Auxílio-coletivo.
Meio de transporte: qualquer um coletivo. E para vir do interior, avião, vamos fazê-los trabalhar mais rápido.

Vamos destrinchar:

Vereadores: nem precisam de salário né? Já que moram na cidade mesmo... Um auxílio-buzu tá de bom tamanho.

Deputados estaduais: Os do interior terão direito de vir todo final de semana (sexta à noite até domingo de noite) e dividir apartamento/casa com os colegas de partido (olha como sou boazinha, nem coloquei todos juntos) e separados por sexo. Nada de agonia. Quem não aceitasse que pagasse do próprio bolso. E auxílio-buzu pra eles também.

Deputados federais: dividirão apartamento/casa com os colegas do partido, inclusive poderia ser feita uma grande república junto com os senadores do mesmo partido. Eles sim receberiam um auxílio-legislativo no valor do salário mínimo. Se nós brasileiros 'sobrevivemos' com este valor, eles que são 'representantes (e empregados) do povo' também devem conseguir. Nada de carro, gasolina, alimentação, gravata que não saísse do próprio bolso. Direito a ir para sua casa a cada 15 dias para passar o final de semana (de sexta à noite a domingo de noite), isso aqui não vai mais ser casa de noca para trabalharem na hora que quiserem...

Prefeito: já que esse tem que ser DE (dedicação exclusiva) vamos ser bonzinhos e dar um salário mínimo mais o auxílio-buzu. Ou acho até mais digno que eles despachem à noite e no final de semana, nada de salário, só auxílio-buzu mesmo!

Governadores:  dividirão apartamento/casa com os coleguinhas. Auxílio-buzu e salário mínimo.

Presidente/a e ministros: vou liberar ter apartamento individual, salário mínimo, auxílio-buzu e nas viagens vão ficar em pousada, nada de hotel e muito menos de luxo. Meu dinheiro não é capim! E se for ver o papa, vai ter que ver os monges, as mães-de-santo, os judeus e afins...sejamos um Estado laico.

Tenho escrito!

Aí eu queria ver quem iria se candidatar para nos representar de verdade. 

Do povo e para o povo: DEMOCRACIA!





10 de junho de 2013

Não me peça paciência

Tá doendo! Não vou escrever o palavrão, mas quem me conhece sabe que eu diria outra coisa...

O pé dói, a saudade dói isso mesmo, sou apegada, a bunda dói, os braços doem...tudo dói!

Mas preciso ter paciência! Só não me mandem tê-la, por favor.

Não suporto dar trabalho e depender dos outros. Não que mamis seja 'os outros', mas é de depender que não gosto. Principalmente por ela ficar se sentindo incapaz de ajudar. Compreendo, sou mãe também! Nós pedimos a Deus que nos dê a dor dos nossos filhos. Aí ela se priva dos seus horários para tentar se adequar aos meus por mais que eu diga que não precisa né mãe?

E aí preciso despachar Bia agradeço sempre, e para sempre, tia Fafá e família mas estou preocupada com a escola dela.

Preciso estudar para a vida mas tá dando trabalho se concentrar.

Como não tenho escolha, estou esperando. Esperando acontecer e com isso tenho que ter a tal da paciência.

Espero esperando enquanto isso...