31 de dezembro de 2013

Resignação? Paciência? Alegria? Tristeza? 2013 apenas

Apenas mais um ano. E que ano, diga-se de passagem. 

Mudei de estado e já vou mudar de novo, compramos o diamante negro, preto amor,dog magia. Com ele tomei uma queda onde fraturei o tornozelo e voltei às pressas para casa da mamãe. Fiquei dias, semanas, meses, longe de marido isso é complicado pacas. Um caminhão bateu no meu carro e me arrastou por metros. Entramos para o Guaicurus. Me formei. Conheci gente nova, aprendi a ser mais tolerante, descobri que sou mais resignada que imaginava, mas também descobri uma força e uma coragem que até este ano eu não dimensionava. 

Eu já sabia que na necessidade, quando a coisa apertava, eu me virava, dava um jeito e ia levando, mas não sabia que poderia mudar tanta coisa e nem suportar tanto tranco como os que levei da vida nesse ano.

Confirmei que somos 3, ops, 4, uma família.

Relembrei que ninguém faz nada sozinho e que sempre precisamos do outro.

Mudei de planos, tracei novas rotas e se precisar? Mudo de novo, de ideia, planos, estado.

Essa foi a maior lição que tirei de 2013, nada controla o tempo. Muitas vezes as coisas podem fugir do controle mas não quer dizer que não vão dar certo, algumas vezes é só uma mudança no plano de voo

Lembrei que aprendi lá trás que existe um tempo para preparar a terra, outro pra plantar, outro pra crescer e outro pra colher. Nada é atropelado. E quando não chove o suficiente, ou chove demais, acaba tudo. E aí vai desistir de tudo? Não. Prepara de novo a terra...

O que quero pra 2014? Que a vida siga seu fluxo. Que os planos possam se realizar. Aquela ideia guardada no fundo do baú, os sonhos... 
Isso mesmo, VIVER. Por enquanto tá bom né? Conseguir terminar 2013 em paz pra mim já é uma verdadeira vitória, e o que for pra ser, será!


P.S.: Vamos aproveitar que o ano que se iniciará será regido por Xangô, Orixá da justiça, e ser justos também. Com tudo, inclusive conosco, nada de cobranças absurdas. Vamos brincar de ser feliz. Kaô Kabecilê




19 de dezembro de 2013

Pense num lugar longe

Corumbá é o nome da cidade.  

Se olhar no mapa vai achar que 440km de Campo Grande é do lado, e seria se não tivéssemos que andar a 80km/h numa estrada boa e reta.

Como é no pantanal tem bicho pra todos os lados, o que significa que qualquer velocidade maior pode causar um acidente grave caso se encontre com um deles.

E há animal messssmo. Vi jacarés sob uma ponte, todos lagarteando na beira de um rio/córrego morri de medo mesmo de longe. Foi tucano por cima do carro, tuiuiu também. Além de muitos bichos mortos na beira da estrada (a anta era enorme aff). Então é cuidado redobrado, tensão e oração, afinal se um bicho entrar na frente do fdp que está na direção contrária a 150km/h ele fatalmente vai jogar o carro pra cima de você e aí meu amigo...

Fora isso atravessei a fronteira a última do núcleo Brandão Batista e fui ali Bolívia. Nada demais, ou pior, a cidade fronteiriça é muito, muito pobre. Eles têm uma feira de roupa que é uma coisa de doido pra quem tem, pode e tá afim de gastar. Marcas famosas a preço de banana se bem que se for banana da terra as roupas saem mais barato.

Por enquanto é isso, qualquer coisa mando notícias da Cidade branca.









2 de dezembro de 2013

Nada dura para sempre

É o quê? 2014 é no próximo mês? Ufa! Achei que ele não ia chegar nunca.

Que 2013 foi esse minha gente? Muita gente deve me achar uma reclamona não que eu não seja, mas vamos combinar né? mas esse ano foi de doer na alma. Vi muita gente reclamando de um bocado de coisa, desde saúde à falta de grana. 

Aqui foram mudanças, decepções, acidentes, angústias, tristezas, choro, dores/doenças e um tantinho de solidão pra arrematar.

Também tiveram coisas boas, lógico, mas é que as ruins se sobrepuseram de uma forma absurda e que só me fazem cantar '...hoje eu só quero que o dia termine bem...' dia após dia, pra ver se pelo menos o dia de hoje termine melhorzinhoAí canto também 'andar com fé eu vou, que a fé não costuma falhar...' pra não deixar de tentar e não desistir no meio das agruras.

Gosto muito do número 7 e de seus múltiplos, por isso a sensação de que esse 14 vai mexer pra melhor a minha vida. E continuo sim achando que o nosso ano muda no dia do aniversário, mas é que estou precisando de estímulo extra dessa vez.

Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos pra ver no que dá. Inté breve.